FERNANDO MAMARI

Fernando Mamari é fundador da produtora audiovisual Pajé Cultural e do Projeto América Latina Cooperativa, destinado à produção audiovisual em conjunto com organizações populares da América Latina. Com seu primeiro media metragem “Imagens e Símbolos”, foi premiado pelo Documentary Center, da George Washington University, Washington, recebendo financiamento para a produção de dois curtas nos EUA; sendo eles “There is no name Yet” e “Write to the City”. Através de distintas produções pela América Latina, foi exibido em mais de 10 países e premiado pela secretaria de Desenvolvimento Social da Cidade do México, pelo filme “Comedor Chichichoma”. Entre suas realizações, estão o longametragem documentário “Charco – A República do Silêncio”, e o curta de ficção “Oleguns Olo Fê”, apresentado em importantes festivais, como o Visões Periféricas, o festival MIMO e o Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro. Atualmente encontra-se em distribuição de seu primeiro longa-metragem de ficção; Delirius Insurgentes. Além de sua formação acadêmica em Geografia, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, recebeu formação em direção cinematográfica na Escola de Cinema Darcy Ribeiro (Rio de Janeiro – BRA) e o Documentary Center (Washington DC – EUA). Concluiu com menção honrosa o mestrado na Pós-graduação em Estudos Latino Americanos, na Univerisidad Nacional Autónoma do México – UNAM, com o temo sobre pedagogia e cinema e lecionou o curso Linguagem e Produção Cinematográfica para distintas comunidades indígenas e afrodescendentes na licenciatura de Cultura, Língua e Memória da UNISUR – Universidad Intercultural del Sur, em Guerrero, MEX. Em 2016 desenvolveu a metodologia e coordenou o projeto CINESCOLA, no âmbito do programa Segundo Turno Cultural, realizado pela secretária de cultura da cidade do Rio de Janeiro, lecionando curso de cinema para estudantes do ensino fundamental em 4 escolas municipais.